DozeArtes

sábado, dezembro 02, 2006

Jean Michel Basquiat




O pintor Jean-Michel Basquiat, nascido no Haiti, em 1960, iniciou sua carreira grafitando as paredes e muros de Nova York. Surgiu no final da década de 70, chamando atenção pelo alto nível de suas obras. Nos seus grafites, apropriava-se de símbolos de variadas culturas (Astecas, Gregos, Africanos, Egípcios etc) e de obras famosas, como a Monalisa, de Leonardo da Vinci. Dava prioridade, entretanto, à ícones da cultura e consumo americanos, principalmente no contexto político e social.
As temáticas encontradas em suas obras refletem as suas preocupações, como o genocídio e a opressão, em "Missionaries" e o racismo, em "Ghetto","Hollywood Africans" e "Harlem". Basquiat já mostrava os passos que o grafite iria tomar, deixando de ser apenas traços e formas ilógicas, para traduzir os problemas mundiais.
Bastante influênciado pela mídia, mesclava os diversos conhecimentos que adquiriu em frente à TV, transformando desenhos, e tudo que o chamasse atenção, em pinturas. Assinava suas obras como "SAMO", porém, com os excessivos elogios da imprensa americana, passou a usar: "SAMO is dead", mostrando seu repúdio à massificação de seus desenhos pela imprensa.
Com 21 anos já participava da sua primeira coletiva em Nova York, indo logo depois expor em Modena, na Itália. Com Andy Warhol, o génio da pop art, formou dupla, onde chegaram a pintar a quatro mãos e realizar belas obras. A morte de seu mestre levou Basquiat a depressão e a afundar-se em drogas, morrendo a 12 de agosto de 1988, graças a um coquetel de heroína e cocaína.

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home